A cura pela palavra

“A grande mudança de paradigma trazida pela psicanálise foi que, em vez de o médico (mestre) ensinar (equivocadamente) para a histérica o que ela tem, o psicanalista vai autorizar a histérica a falar por si mesma, em palavras e não em sintomas, ensinando a ele o que ela deseja. É a verdadeira cura pela a palavra”.

Geraldino Ferreira Alves Netto

Porque fazer análise?

Em primeiro lugar, como resposta, porque você está sofrendo, ou seja, em algum lugar de seu ser, algo dói, não está bem.
A experiência de uma análise é única, para sempre e pode ser surpreendente.
Segundo, os efeitos que uma análise pode ter, além de terapêuticos, ou seja, além de melhorar sua qualidade de vida, podem ser da ordem de um ganho. A pessoa leva para sua vida descobertas, redescobertas e sabe mais sobre o próprio sofrimento e sobre o que lhe afeta.
Com este fato, o fator qualitativo aumenta e a chance da dor diminuir é alta e praticamente consequência. Além disso, a pessoa passa a falar em nome próprio e consequentemente a se responsabilizar pelas suas escolhas sabendo não somente das perdas, mas dos ganhos. Ou seja, é ser mais ético com seu próprio desejo. Ser fiel a si próprio até o fim…
Querer saber mais sobre si é poder acolher e respeitar seu ser. É dar um contorno para aquilo que te machuca, te angustia e colocar o sofrimento em seu lugar.
De maneira geral podemos afirmar que se disponibilizar para fazer uma análise significa encontrar novas saídas para o que nos afeta. Outras possibilidades de estar neste mundo que não podemos esquecer, causa muitos sofrimentos. É poder sustentar ser a dor e a delícia de ser quem se é!

Do que trata a Psicanálise?

A psicanálise é uma forma de olhar, acolher e tratar o sofrimento humano.
Ela cuida dos seguintes sofrimentos:
– Angústia ( pânico, ansiedade, inibições)
– Pensamentos (auto-recriminativos, insistentes, desagradáveis)
– Sintomas corporais (dores no corpo, somatizações)
– Dispersão
– Transtornos globais do desenvolvimento
– Delírios e alucinações
– Desejo (sexual, desejos de morte, desejo de sentir desejo, desejos impossíveis)
– Tristeza (existencial, pela perda de algo ou de um ente querido, separações diversas, melancolia)
– Solidão
– Dificuldades nos relacionamentos